20/01/2017

Não é nada!.....................

Hoje é o primeiro dia da III Guerra

Bom dia.

Este é o seu Expresso Curto sem nenhum açúcar. E, por isso mesmo, amaríssimo.


Hoje toma posse como 45º Presidente dos Estados Unidos o multimilionário Donald Trump. E se cumprir tudo o que já prometeu até agora, iniciamos hoje mesmo a contagem decrescente para a III Guerra Mundial. Quanto à guerra mundial económica, essa já começou.

Parece-lhe tremendista? Bom, então veja o que Trump já disse sobre a China. Já criticou a política militar e cambial do Império do Meio. Já acusou os chineses de roubarem um drone norte-americano. Já ameaçou aplicar pesados impostos aos produtos chineses. Já disse que o aquecimento global é um mito inventado por Pequim para prejudicar a competitividade da indústria norte-americana. Já falou com a Presidente de Taiwan, o que nunca nenhum Presidente norte-americano tinha feito desde 1979, quando a China e os Estados Unidos reataram relações e Washington reconheceu que a ilha faz parte integrante do gigante asiático – e uma delegação de Taiwan estará na sua posse. E o que pensar das palavras de Rex Tillerson, o homem que vai comandar a diplomacia norte-americana, segundo as quais o acesso da China às ilhas artificiais equipadas com sistemas de defesa anti-aérea que está a construir no Mar do Sul “já não vai ser permitido”?

Será o homem assim tão estúpido? Não acredito, vamos ver para crer! A estas Trumpomanias costuma-se em bom português chamar-se tesão de mijo, é do que homem sofre, e com a idade dele e com uma moça nova ao seu lado, é apenas tesão de mijo, depois isso passa! 

O mundo espera para ver? Yes

 
Oito anos depois a Casa Branca tem um novo inquilino. Donald Trump tomou hoje posse como o 45º presidente dos Estados Unidos. 
Envolto em polémicas e com a popularidade em baixa, segundo duas sondagens reveladas ontem, Trump chega ao lugar mais alto da maior economia mundial apostado em tornar a América “grande outra vez”.
Para os especialistas, os mercados vão, por enquanto, continuar a jogar na lógica do “esperar para ver”. Os primeiros cem dias da presidência serão decisivos para perceber quais são as reais intenções de Trump. 
 
O mundo espera para ver, é um facto, isto quando pela primeira vez temos em um qualquer lugar uma nova pessoa que partindo do princípio que é uma pessoa polémica.
Pessoa polémica? É sem dívidas nenhumas, mas vamos esperar para ver, porque talvez essa polémica de que ele é portador seja uma forma de influenciar a Europa a voltar a ser o que era no passado, um continente com poder, com tecnologias, não dependente e não subordinada a terceiros, em particular no campo económico, e não só.
A Europa talvez tenha a necessidade de mudar as suas políticas, perante uns USA que com toda a certeza vai ser diferente daquilo que tem sido, olhando mais para dentro de si do que para os outros, coisa que a Europa também tem que mudar, isto é, não cedendo e dobrando-se perante uns quantos que não o merecem.
Trump irá querer uns USA para os americanas, e tem razão, e a Europa também, uma Europa para os Europeus, penso que será essa a principal questão em que a Europa irá aprender com o Sr. Trump. Vamos esperar para ver.

17/01/2017

Nem no tempo do Sr. Oliveira Salazar


O subcomissário que agrediu um adepto do Benfica à frente dos dois filhos menores em Guimarães a 17 de maio de 2015, recebeu, de acordo com o Correio da Manhã, um louvor do Comando de Braga da PSP, pela competência e serviços prestados no policiamento de recintos desportivos. O louvor a Filipe Silva foi publicado na sexta-feira numa ordem de serviço, onde é destacado que os serviços do agente “prestigiam a polícia”.
De acordo com o CM, a decisão está a causar uma polémica interna, já que Filipe Silva foi acusado pelo Ministério Público de ofensa à integridade física, falsificação de documentos, denegação de justiça e prevaricação. Filipe Silva ainda não foi julgado porque requereu a instrução do caso, tendo o processo disciplinar suspenso a aguardar decisão da tutela da Administração Interna. Entretanto, terá voltado a liderar o patrulhamento do Estádio D. Afonso Henriques no último jogo contra o Benfica.

Nem no tempo do Sr. Salazar eu acreditava que isto fosse possível, afinal por aquilo que vejo o regime de Salazar não era assim tão mau, isto não era possível, mas como se vive em democracia a agressão a um cidadão pelos visto faz parte dela e dá prestígio a quem agride.
Este Sr. que representa a autoridade e que agrediu sem qualquer recusa um cidadão na presença de dois filhos acaba de ser louvado pelo seu acto, onde é destacado que os serviços do agente prestigiam a polícia, que grande prestígio merece este senhor, que, agride um cidadão indefeso, sem poder para poder agir e sem o direito a tal, resta-me, como cidadão, repudiar esta acção, tanto do polícia como de quem atribui o louvor, resta-me dizer, que, mais uma vez parece-me isto assim não são actos de um país democrático, todo o cidadão tem que ser tratado com o máximo lisura e não em modo selvagem.

16/01/2017

Trump, um homem com ideias correctas


O presidente-eleito dos Estados Unidos,Donal Trump, que toma posse esta sexta-feira, avisou que vai impor um imposto de 35% a carros importados para os Estados Unidos, colocando pressão nas fabricantes automóveis europeias, sobretudo as alemãs
Trump, em entrevista ao jornal alemão Bild e citado pela Reuters, criticou fortemente os fabricantes alemães por não produzirem mais veículos nos Estados Unidos. “Se querem produzir carros no mundo desejo-vos toda a sorte. Podem produzir carros para os Estados Unidos mas cada carro que entrar nos Estados Unidos vão pagar 35% de imposto”, avisou.
Assim é que é falar, quem quer comer que deixe algum, ao contrário da Europa, Trump está a começar muito bem, a Europa está na desgraça por causa das políticas que tem criado, deixar de produzir dentro da própria Europa para enviar tudo o que são industrias para fora dela, fazendo aumentar o desemprego e desenvolvendo países terceiros, acho muito bem esta política do Sr. Trump.
Todos os  países Europeus deviam pensar assim, não há que criticá-lo, apenas está defendendo o seu país com esta política, continuo que vai no bom caminho, e que a Europa abra os  olhos, que um Trump renasça nesta Europa para ver se isto se endireita.

15/01/2017

Afinal quem anda a brincar com esta merda


Em 2015 e 2016 reformaram-se 672 médicos, enquanto terminaram a especialidade cerca de 2.300. A iniciar a especialidade contaram-se 3.200 médicos, quatro vezes e meia mais do que os que se aposentaram.
Dentro de um ano e pouco teremos todos os portugueses com médico de família e a partir daí estamos a formar médicos de medicina familiar a mais. Não teremos desemprego médico, porque os médicos portugueses emigram com facilidade", afirmou o bastonário em entrevista à agência Lusa.
Lembrando que em Portugal o que há é falta de dinheiro para contratar mais profissionais e não falta de médicos, o bastonário considera imprescindível regular o acesso aos cursos superiores de Medicina.

Afinal o que se passa com a saúde neste país? Quem anda a brincar com esta merda? Para não falar no resto do país vou falar na saúde na minha terra: É assim, este hospital de Portimão para mim não é um hospital, mas sim um hospital de campanha daqueles que conheci em África, onde e quando olhava para aquilo arrepiava-me, assim me faz lembrar o hospital da minha terra, o local a onde se fazem as consultas de urgência assusta em todos os níveis, a sala de espera nem para gatos serve, o tempo de espera são da ordem das muitas horas, não há muito tempo ouvi lá dentro um médico dizer assim para o outro, agora não se pode fazer eletrocardiogramas, questiona o outro, então porquê?, Não há quem os faça, então? Um está doente, o outro está de folga, imaginem só, isto mo século 21.
As urgências de pediatria encerram por falta de médicos da especialidade, depois pedem para dar-mos filhos ao país, ortopedistas nem vê-los, não existem, mas a saúde nesta região sempre esteve ao abandono, a saúde e não só, tudo em geral, sempre conheci a minha região entregue ao abandone, se não fossem os camones que nos visitam, seriamos e estaríamos como sempre estivemos abandonados.
Resumindo, ir ou pretender um médico nesta terra é quase como jogar no Euromilhões, nesta fase de gripe, então nem falar, se é isto o Algarve e se não gostam de nós como nunca gostaram, têm a solução, digam aos algarvios que não são bem vindos para nós podermos procurar o nosso destino, há muito quem nos queira, a nós e à nossa região, temos o direito à saúde como outro português qualquer.
No centro de saúde a saúde não é melhor, quando nos levantamos de manhã e pretendemos uma consulta de urgência, a via é, como normal, a ida ao médico de família, só que o médico de família não consegue dar a consulta, porque as consultas do dia ocupam o tempo do dito médico, mas o mais caricato é que temos que ir às seis da manhã para a porta centro de saúde, para no início da abertura, 08 horas, fazer-se a inscrição com a dita senha de ordem, depois é esperar até às 13 horas para receber-mos um sim ou um não à consulta, o que na maioria dos casos é sempre o não, e isto para quem está com febre alta, dores no corpo, enfim, os efeitos de quem está doente, é para mim uma tortura, no entanto não existe falta de médicos, segundo eles dizem, o que existe é falta de dinheiro, mas foram os cidadãos que pagaram os cursos a este senhores médicos, e assim não vale a pena estarmos a gastar dinheiro em formar médicos para depois vê-los imigrar, a eles e o nosso dinheiro. Tantos mil milhões que se têm gasto com os bancos e banqueiros neste país, tantos milhões que gastam em assuntos supérfluos, mas para dar algo aos cidadãos, e em particular à saúde, eles fogem como rabo à seringa, é para os pobres, mesmo que morram não tem importância, como dizia um militar no tempo do dito fascismo, perguntava o General, perdemos muito material? Perdemos isto e aquilo, agora perdemos foi tantos homens, homens requisitam-se, o material é que é o pior, custa dinheiro, estes de hoje não dizem isto, mas que o pensam, pensam.
Há bem pouco tempo faleceu um grande senhor da nossa sociedade política, onde esteve ele internado, num dos melhores hospitais do país, se ele e outros como ele se tivessem que se limitar ao hospital de Portimão ou outro paralelo, eles veriam a saúde de outra maneira, porque quem em dinheiro e muito está sempre a salvo, é este o país em que vivemos, e o povo gosta a consente. Eu não gosto! E não ponho votos nesta gente, nem lhes ligo qualquer importância, porque isto não democracia.
A propósito da actual epidemia de gripe, esteve à 3 ou 4 dias atrás um senhor do sistema de saúde português a equiparar Portugal como Canadá, dizia o experto, no Canadá ouve uma epidemia de gripe e também tiveram problemas nas urgências dos hospitais, pois meu caro, houve, mas só equiparam Portugal ao Canadá ou a outros muito bons quando existe um pequeno problema, nas coisa muito boas que são aos milhares nunca se lembram e equiparar o que não é equiparável, que engraçada é esta gente.

13/01/2017

E onde estão os subsídios de risco?


Acidentes de trabalho matam 136 pessoas num ano Todos os dias, há um português que sai para trabalhar e não regressa a casa por ter sido vítima de um acidente mortal ou grave no emprego. Os sinistros, quase fotocópia uns dos outros, repetem-se ano após ano. Apesar da definição da estratégia nacional para reduzir a sinistralidade em 30% até 2020, das campanhas de prevenção e da informação cada vez mais disponível, o número de acidentes de trabalho fatais manteve-se praticamente inalterado nos últimos três anos.

Posto isto isto, fico indignado quando oiço por aí muitos senhores a reclamarem subsídios de risco para as profissões que desempenham, e desses até já tenho ouvido alguns que o que fazem é estarem sentados junto a uma secretários ou algo semelhante, mas nunca ouvi dizer que alguém com esses ofícios tenha morrido por acidente de trabalho, mas o que é um facto de verdade é que alguns conseguem o tal subsídio.
Segundo esta notícia, neste ultimo ano morreram 136 pessoas em acidentes de trabalho, onde a construção civil está no topo da classificação, mas eles não têm subsídios de risco, nem  nunca os ouvi reclamarem por tal, como os pescadores, os camionistas, e outras tantas profissões que por aí andam que não só se pode morrer como as doenças laborais são um facto para o futuro dessas pessoas.
Os tais sentados à secretária e outros similares fartam-se de reclamar reformas para mais cedo, subsídios de risco etc. e muitas vezes conseguem, como conseguirem? Basta para isso terem nascido num país onde só e apenas dá valor ao trabalho supérfluo, ao trabalho burocrático, ao trabalho de gravata e de unhas envernizadas, o tal, o velho empregado de escritório, como se dizia no passado e se mandava a filha casar e arranjar um namorado empregado de escritório, esses é que são os homens de produção e os que trabalham para manter um país de pé, por isso muitos têm o tal subsídio.
Em Portugal se queres parecer e ser um homem arranja um trabalho onde não entre o fato de macaco, mas sim a camisa branca e a gravata, por essa e outras razões temos um país de topo, de topo de miséria, que mentalidades de merda a deste país, onde os que trabalham não têm direitos, não têm subsídio de risco, não são bem vistos e muitas vezes marginalizados pela sociedade, só porque vestem de fato de macaco, e por isso são os tais cidadãos de 2ª e muitas vezes de 3ª e sem direitos, só têm um direito apenas, que é, estarem sujeitos ao riso de morte ou de doença.

01/01/2017

A má língua negra


Jornal de Angola: A Assembleia da República Portuguesa tem todo o direito de acolher de braços abertos o cidadão português Luaty Beirão. Tem até o direito de o receber com mais cordialidade do que tratou o Chefe de Estado angolano, alvo também da falta de educação recorrente dos nervosos deputados portugueses em relação aos estrangeiros.Mas quando a Assembleia da República Portuguesa e o Governo português apenas recebem bem os inimigos da paz em Angola não podem dizer  que as relações com Angola são fraternas. Aos irmãos não se apunhala pelas costas.
Nestes tempos, as punhaladas portuguesas não se limitam à AR. No ano de 2015, de grande significado para os angolanos, a empresa lusa Mota-Engil  foi contratada para reabilitar todos os passeios e ruas da cidade de Luanda. Durante as obras, a construtora vedou com alcatrão toda a rede de esgotos, sarjetas e valas de drenagem das ruas. Quando nesse ano as fortes chuvas chegaram, as ruas ficaram transformadas em rios e no sítio dos esgotos abriram-se crateras que ainda hoje se vêem. Com a acumulação de charcos e lixo, as condições de saúde na capital angolana degradaram-se. A cidade foi assolada por um surto de febre-amarela.A crise só foi ultrapassada com a substituição do governo provincial, mas serviu de base a uma reportagem asquerosa da SIC, televisão de outro multimilionário, Francisco Pinto Balsemão, que aposta igualmente na desestabilização de Angola. O canal enganou os telespectadores tratando o assunto como se fosse algo recente.
Os cidadãos angolanos continuam a meter rios de dinheiro na economia portuguesa, mas nas lojas angolanas vendem-se cada vez mais produtos podres provenientes de Portugal. Os empresários desonestos até conseguiram impingir a colocação da tortuosa (para os pés) calçada portuguesa nos passeios de Luanda.  

A má língua não escolhe cores, raças, credos ou outros, mas desta vez escolheu ao revés desta gente que apenas sabe falar com a má língua quando alguém os comenta dizendo a verdade sobre o país que eles tanto queriam como deles e o aí o têm, só que, se recuar-mos 42 anos anos atrás, o seu povo vive nos dias de hoje como um povo independente e ainda bem que assim é, mas, vive muito mais pobre que no tempo em que era colonizado, mas para os grandes chefes angolanos passa-se o inverso, estão hoje muito ricos e poderosos, mas quando alguém os desmente a má língua negra atira as setas envenenadas para combater as verdades.
Este jornal angolano, ou melhor, este jornal ao serviço do poder angolano, e não ao serviço do povo que o paga, aponta como digo atrás as setas envenenadas, criticando aqueles que ali lhes vão fazendo algo em prol da sua boa qualidade de vida, mas como a má língua não escolhe cores, vão disparando as bacoradas contra a democracia e acarinhando uma ditadura que explora um povo pobre e sem poder.

27/12/2016

A feira de gado do Ministro dos Negócios Estrangeiros

video

A comparação da concertação social a uma “feira de gado” por parte do ministro dos Negócios Estrangeiro foi feita “no âmbito de uma conversa privada com um amigo”, mas Augusto Santos Silva pede desculpa “se alguém ficou melindrado” e destaca o “papel fundamental” da concertação social.
O episódio aconteceu na noite da passada quinta-feira, 22, durante o jantar de Natal do grupo parlamentar socialista com o Governo. O ministro do Trabalho e da Segurança Social, Vieira da Silva, tinha acabado de conseguir um acordo na concertação social, o que mereceu saudações de vários socialistas. Uma delas veio de Augusto Santos Silva.

Frases destas? Sim! Mas vindo de onde veio não! Leva-me a crer que toda esta gente que nos governa não são nem mais nem menos que meras pessoas vulgares e onde a má educação está presente, se esta frase fosse ouvida pelo Sr, Ministro vinda por exemplo de um operário o que diria ele? Diria certamente que são coisas de gente pouco letrada e sem cultura, e ao mesmo tempo era uma falta de respeito pelas instituições e pelas pessoas, assim foi ele, o Ministro dos Negócios Estrangeiros, que agora vem pedir desculpa pela bacorada que disse, uma vez que intitulou a negociação como uma feira de gado, daí a bacorada.

26/12/2016

Um salário médio que é baixo




Em Portugal quase tudo não é mau, mas dentro do que é bom, temos os salários, a saúde, os direitos cívicos, a justiça, a educação, bons políticos, etc, só nos falta é um país europeu e do primeiro mundo, se existe alguém que não está satisfeito eu sou um deles, e assim, temos os bons salários, face ao custo de vida, chega-nos para metade do mês se bem gerido, façam o favor de ver Aqui, o retrato dos nossos salários, só não mostram os chorudos salários que muitos ganham sem o merecerem, mas como estamos em Portugal estamos bem, felizes, muitas festas, bons automóveis, mesmo fiados, mas temos e bons, que, até parecemos um país muito rico, ora não, com estes salários...............

20/12/2016

Ele é radical, mas não é hipócrita.........

 

O eurodeputado da direita radical alemã Marcus Pretzell disse, na segunda-feira, que o incidente num mercado de Natal em Berlim foi um atentado e que as vítimas são "mortos de (Angela) Merkel". Quando vai reagir o Estado de Direito alemão? Quando vai acabar esta maldita hipocrisia? São os mortos de Merkel", questionou o eurodeputado na rede social Twitter, referindo-se ao incidente com um camião num mercado de Natal em Berlim, que provocou nove mortos e 50 feridos.
Em sucessivas mensagens, o eurodeputado acusa a imprensa de não falar abertamente de atentado, salientando que, no estrangeiro, todos afirmam que se tratou de um ataque.

Este eurodeputado alemão, é considerado de direita radical, mas as razões que o levam a ter estes comentários são as razões da Alemanha estar cheia de imigrantes oriundos de países onde o terrorismo tem a sua proveniência, por essa razão ele culpa a Sr.a Merkel, será porque ela se opõe a tal? Não! Ela apoia, assim como a Europa em geral, deixa entrar dentro de si toda agente, bons, pensam eles, e outros menos bons, e até mesmo os muito maus, e por isso a Europa está a ser vítima destes atentados.
Afinal o que pensam os actuais responsáveis europeus? Que a Europa é para ser repartida a pessoas que não coadunam com os hábitos europeus, praticam religiões que não se enquadram com as nossa cultura, etc: Posto isto que futuro para nós europeus? Assim não! Por essas razões, a Europa encaminhar-se-á para o aparecimento cada vez mais de políticos e de políticas como as que este senhor defende, o povo que vota tenta fugir a este flagelo, que é a Europa cheia de gente que não interessa ao bem estar da mesma, e com razão! Como europeu, e sem querer, acabo por lhe dar razão.