24/02/2017

O Trump é que paga


O MNE informa que existem casos de cidadãos americanos que pediram informações aos consulados portugueses sobre como residir em Portugal alegando desencantamento com a eleição de Trump.
Os preços em Portugal são aliciantes mas há outro fator que está a levar os americanos a quererem sair dos Estados Unidos para vir para Portugal, a eleição de Donald Trump.

 Nesta é que não vou, onde está e qual será o interesse de um americano que esteja bem na vida vir viver apara Portugal? Não creio! Agora, alguns pelintras, outros daqueles que sabem que com o Trump não vão ter vida fácil, esses talvez! Mas e porquê Portugal? E não um outro país europeu? Será pelas boa praias? Pelo bom sol? Pela boas sardinhas? Não será certamente, será sim por outros motivos.
Aqui será mais fácil gamar, será mais fácil entrar em  mundos obscuros, por aí acredito, não será pelo ordenado mínimo, pelo bom sistema de saúde que temos, pelas boas escolas, e outras tantas coisas tão boas que leva os americanos a imigrarem para Portugal e os portugueses par a Suíça, Inglaterra, França e outras partes do mundo, porque será toda esta coincidência? Não nos iludem, só acredita quem quer ou não sabe.

23/02/2017

O ingracioso Ferraz


O empresário e presidente do Fórum para a Competitividade, Pedro Ferraz da Costa, considerou que a saída da troika de Portugal deixou o país sem um programa definido, esta quinta-feira, durante a Conferência “Moldar o Futuro”, organizada pelo CIP em Lisboa, noticia o Jornal de Negócios. 
Desde que fizemos a saída limpa deixou de haver programa [para seguir] e agora continua a não haver”, disse Ferraz da Costa, citado pelo Jornal de Negócios. “Tenho pena que a troika tenha ido embora.  
A legislação laboral não ficou fora das críticas de Ferraz da Costa durante a conferência, considerando que “a legislação do trabalho é das áreas em que estamos pior, portanto, dizer-se que se cristaliza a situação atual, não me parece que seja algum progresso. É desistir de mudanças indispensáveis em áreas em que é preciso mudar”, disse citado pela TSF. 

O ingracioso, democrata, defensor de quem trabalha, o grande gestor, etc. etc, continua a bater na legislação laboral, perante o ingracioso, esta legislação ainda não lhe agrada, talvez a legislação do século 19 fosse a preferida para o personagem.
Não sei o que pretende esta gente, apenas mostram as sua capacidades de incompetência, como não são capazes de mostrar o seu valor, porque é nulo, o mais fácil é bater em alguns e poucos direitos de quem trabalha ainda tem, mentalidades pequenas de gente nula e ingraciosa.
A troika ainda por cá devia estar, pois é, mas não está, e se por cá estivesse continuariam os trabalhadores e reformados de quem este homem gosta a padecerem com a brutalidade da ausrteiade imposta pela troka, a quem serviu a troika, diga Sr. ingracioso, chamo-lhe ingracioso por você não tem graça nenhuma, como e beba como os burros, porque quem peça como você é burro.

22/02/2017

Alemães criticam fracasso da austeridade em Portugal


Alemães criticam fracasso da austeridade em Portugal Os cortes por vezes "drásticos" na despesa neutralizaram os efeitos das reformas estruturais, agravando a recessão em Portugal, Espanha e Itália. Num estudo publicado esta quarta-feira, 22 de Fevereiro, o instituto de investigação económica alemão DIW conclui que a política de austeridade aplicada entre 2010 e 2014 foi "contraproducente" porque amplificou os efeitos da recessão.
A enorme dívida das famílias nos três países foi decisiva para o impacto negativo das políticas no crescimento.
"As famílias tiveram de usar uma grande parte do seu rendimento disponível para pagar a enorme dívida e ficaram com menos dinheiro disponível para consumo". Depois, "o governo aumentou impostos e cortou despesa, o que só amplificou o efeito. A quebra no consumo privado reduziu o PIB e o desemprego, que já estava elevado, aumentou de novo".

À medida que o tempo passa cada vez menos acredito nestes políticos e nestes economistas, primeiro a austeridade seria o remédio para a resolução dos problemas do país, andamos quatro anos a padecer com as políticas estúpidas que a austeridade impõe, tanto a Sr-ª Merkel, o Sr. Coelho e as pandilhas que a apoiaram, incluindo o FMI e a UE , os grandes economistas, gente em quem eu não acredito, toda aquela teoria é treta, estavam obcecados apenas pela austeridade.
Afinal o que é a austeridade? É apenas a contenção de gastos, e será que a contenção de gastos seja a melhor opção para a resolução da economia de um qualquer país? Não é! E assim, verificamos que não.
Para terminar o meu raciocínio, digo apenas, se a austeridade é assim tão saudável para a economia, então fazia-se uma coisa, fechava-se todo o comércio, fechava-se tudo para que não se gastasse o dinheiro, e assim, estaria-mos todos mortos nu curto espaço de tempo.
Políticos e economistas não brinquem com o poder que têm, ou melhor, com o poder que lhes atribuem, porque você valem zero, é a minha opinião, acreditar no quê e em quem, apenas na técnica, na ciência e em quem nela trabalha, papeis e palavreado, que venho o diabo e os leve.

21/02/2017

Não me chamem branco! Sou caucasiano!


Multas por racismo e xenofobia podem chegar aos 8420 euros O racismo e a xenofobia vão ser punidos com multas que podem ir até aos 4210 euros, no caso de ser cometido por indivíduos, e até 8420 euros, se o for por pessoas colectivas. Esta é a nova proposta de lei do Governo de combate à discriminação racial e étnica e à xenofobia, que entrou esta segunda-feira na Assembleia da República, e vai ser posta à discussão parlamentar. Prevê também que a vítima tenha direito a indemnização.
É ainda considerada discriminação em relação a alguém por causa da sua origem racial, étnica ou nacional a prática de actos como: recusar fornecer bens ou serviços colocados à disposição do público – por exemplo, barrar a entrada de alguém num bar por causa da sua origem étnica; recusar ou condicionar a venda ou arrendamento de casas; constituir turmas em estabelecimentos de ensino segundo critérios discriminatórios.

Não sei, se um dia destes vou acusar alguém de racista, se me aparecer um individuo a chamar-me branco, terei que actuar, dizendo, aquele tipo é racista, chamou-me branco, pela minha raça, pois eu sou branco e sempre a minha raça foi conhecida por ser branca, mas como sou branco e oriundo do Caucaso, tenho que ser caucasiano! Como será que se pode chamar a outro individuo que não seja branco, por exemplo, tenho ouvido chamar vermelhos, e outras cores assim, eu ficaria muito ofendido se me chamassem de outra cor que não fosse a minha, amarelo não sou, azul não sou, preto não sou, vermelho às vezes, mas um pouco, não me importo nada de ser branco, será que isto também é xenofobia? Racismo por eu querer ser branco? Tenho que ter cuidado, porque não sei até onde podemos ir, será que tenho que gostar de todos? Serei a isso obrigado por lei? Tenho as minhas cores preferidas, por exemplo o vermelho, que é a cor do meu clube, o branco também é bonito, porque não?

19/02/2017

É mesmo, Portugal parece uma anedota

video 

Isabel Gomes não queria acreditar quando recebeu na sua casa, situada na Maia, uma notificação das Finanças para pagar 14 cêntimos. E mais incrédula ficou quando percebeu que se não fizer face à dívida em 30 dias será alvo de uma penhora e o seu nome passará a constituir da lista de contribuintes devedores.
A dívida de 14 cêntimos diz respeito a juros resultantes de um atraso no pagamento do imposto do selo do carro. "A minha filha esqueceu-se de pagar e, entretanto, recebemos uma carta com o valor da multa, que foi cerca de 80 euros. Só não percebo porque não juntaram logo os 14 cêntimos", diz a mulher, em declarações ao

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/arrisca-ser-penhorada-por-dever-14-centimos?ref=HP_Grupo1
A dívida de 14 cêntimos diz respeito a juros resultantes de um atraso no pagamento do imposto do selo do carro. "A minha filha esqueceu-se de pagar e, entretanto, recebemos uma carta com o valor da multa, que foi cerca de 80 euros. Só não percebo porque não juntaram logo os 14 cêntimos", diz a mulher. 

Portugal parece uma anedota, é verdade, aparece cada caso que só nos faz rir para não chorar-mos, esta senhora também não tem a razão toda do lado dela, 1º, não pagou a tempo o selo do carro, o que é normal nos portugueses, deixarem tudo para amanhã, ou então esquecerem-se, não sei se é um defeito ou uma virtude, acho que faz parte da raça, na minha opinião.
2º, as finanças deveria informar a senhora que ainda teria que pagar mais qualquer coisa, mas não, provavelmente não informaram, e a contribuinte no sua boa fé ficou convencida que estaria tudo pago, mas as Finanças não têm esse direito, o contribuinte, esse, é que tem que pagar e não bufar, em democracia é assim, lá estou eu com a democracia, até parece que não vive num país democrata, se calhar até nem vive...........
A anedota está precisamente na forma como se cobram impostos em Portugal, e também no valor, 14 cêntimos, ameaçam de penhora de o nome constar na lista negra de devedores, etc, etc, por 14 cêntimos meus caros? Esta repressão toda? Então não seria possível tratar o cidadão contribuinte com um pouco mais de lisura? Informar o cidadão de uma outra forma não tão violenta? Ou o cidadão não merece esse trato? Será que não merece?
Mas de qualquer forma até precisamos de umas anedotas destas, e não venham com as desculpas do sistema informático porque no tempo em que tudo isto se fazia à mão, à mão digo eu, isto era igual, resumindo, o cidadão nunca tem razão, às vezes até nem tem, mas temos que reconhecer que a raça é mesmo assim, por isso é que os nossos serviços públicos funcionam tão bem.
Isabel Gomes não queria acreditar quando recebeu na sua casa, situada na Maia, uma notificação das Finanças para pagar 14 cêntimos. E mais incrédula ficou quando percebeu que se não fizer face à dívida em 30 dias será alvo de uma penhora e o seu nome passará a constituir da lista de contribuintes devedores.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/arrisca-ser-penhorada-por-dever-14-centimos?ref=HP_Grupo1
Isabel Gomes não queria acreditar quando recebeu na sua casa, situada na Maia, uma notificação das Finanças para pagar 14 cêntimos. E mais incrédula ficou quando percebeu que se não fizer face à dívida em 30 dias será alvo de uma penhora e o seu nome passará a constituir da lista de contribuintes devedores.

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/detalhe/arrisca-ser-penhorada-por-dever-14-centimos?ref=HP_Grupo1

18/02/2017

Hospital de Portimão troca cadáveres


O Hospital de Portimão trocou o cadáver de duas idosas e a família fez o funeral com o corpo errado. Maria Teresa Carvalho, com 87 anos, deu entrada no hospital no dia 11 de fevereiro e dois dias depois faleceu devido a uma infecção urinária.
A neta e o seu marido viajaram até ao Algarve para poderem realizar o funeral da avó mas, no entanto, as dúvidas da neta surgiram quando esta estava a velar o corpo.
O hospital entrou então em contacto com a família, no dia seguinte, explicando que teria existido um erro e o corpo de Maria Teresa ainda estaria na morgue.

Bem, posto isto, e perante uma notícia destas, o que mais nos resta? Será que nos resta continuar a duvidar de quase tudo o que se passa dentro de alguns hospitais?  Quanto a mim, e pelo que se ouve, lê e se vê, é a única coisa que me resta, é esta tristeza, tristeza por saber que houve uma troca de cadáveres, e assim, uma família fazer um funeral a um familiar que na verdade não corresponde à verdade, isto, porque, e porque só resultou este engano por displicência com toda a certeza das pessoas que têm a missão dentro de uma unidade hospitalar cuidar destes casos, ou não será?
Assim, mais uma vez digo, e me interrogo, que confiança poderemos nós cidadãos continuar a ter quando se entra dentro de um hospital? São tantos os casos, que como tenho dito é quase como jogar no Euromilhões, quero se sai vivos e recuperados, ou dali para a nossa última morada.